Ir ao conteúdo

Letras

Eis o alfabeto do Esperanto:

  • Aa ami amar
  • Bb bela belo/a, bonito/a
  • Cc celo objetivo
  • Ĉĉ ĉokolado chocolate
  • Dd doni dar
  • Ee egala igual
  • Ff facila fácil
  • Gg granda grande
  • Ĝĝ ĝui desfrutar
  • Hh horo hora
  • Ĥĥ ĥoro Coro
  • Ii infano criança
  • Jj juna jovem
  • Ĵĵ ĵurnalo Jornal
  • Kk kafo café
  • Ll lando país
  • Mm maro mar
  • Nn nokto noite
  • Oo oro ouro
  • Pp paco paz
  • Rr rapida rápido/a
  • Ss salti saltar
  • Ŝŝ ŝipo Navio
  • Tt tago dia
  • Uu urbo cidade
  • Ŭŭ aŭto Automóvel
  • Vv vivo vida
  • Zz zebro zebra
Maiúsculas A, B, C, Ĉ, D, E, F, G, Ĝ, H, Ĥ, I, J, Ĵ, K, L, M, N, O, P, R, S, Ŝ, T, U, Ŭ, V, Z
Minúsculas a, b, c, ĉ, d, e, f, g, ĝ, h, ĥ, i, j, ĵ, k, l, m, n, o, p, r, s, ŝ, t, u, ŭ, v, z
Nome das letras a, bo, co, ĉo, do, e, fo, go, ĝo, ho, ĥo, i, jo, ĵo, ko, lo, mo, no, o, po, ro, so, ŝo, to, u, ŭo, vo, zo

Maiúsculas e minúsculas

Cada letra existe em duas formas: maiúscula (letra grande) e minúscula (letra pequena). As minúsculas são as formas normais das letras. As maiúsculas são normalmente usadas como a primeira letra da frase principal e como a primeira letra do nome próprio.

Diacríticos

Há seis letras específicas, em Esperanto: Ĉ, Ĝ, Ĥ, Ĵ, Ŝ kaj Ŭ. Têm diacríticos especiais. O caráter especial ^ chama-se circunflexo ou chapéu. O caráter especial sobre o U chama-se braquia (ou breve).

Quando não é possível usar os diacríticos especiais, pode-se usar uma escrita alternativa. A alternativa oficial é o sistema H, como se encontra no Fundamento de Esperanto. No sistema H, em vez dos circunflexos, usa-se um H depois da letra e ignora-se a braquia sobre o Ŭ: ch, gh, hh, jh, sh, u. Nos textos e e-mails em computador, muitas pessoas usam um X depois da letra, em vez do circunflexo e da braquia: cx, gx, hx, jx, sx, ux.

Pronúncia

As letras A, E, I, O e U são vogais. Todas as restantes são consoantes. Todas as letras devem ser pronunciadas. Não há letras mudas.

Vogais

Vogal Descrição AFI-Alfabeto Fonético Internacional
I idade, palito (nunca nasalado) [i]
U luto, uva nunca nasalado [u]
E evitar, escalar (nunca nasalado ou com som de i) [e]
O ovo, loba (nunca nasalado ou com som de u) [o]
A ato, bafo (nunca nasalizado) [a]

Acento tônico

Em palavras com duas ou mais vogais, uma vogal é dita de modo mais incisivo do que as outras. É a vogal tônica. A tônica recai sempre sobre a penúltima vogal (a maiúscula, aqui, indica a acentuação): tAblo, nenIam, rapIda, taksIo, familIo, revolvEro, krokodIloj, eskImo, diskUtas, mEtro, metrOo, Apud, anstAtaŭ, trIcent, mAlpli, Ekde, kElkmil etc.

A desinência -O pode ser substituída por apóstrofo . O apóstrofo toma-se como vogal (não dita) e o acento não muda: taksI', familI', revolvEr', metrO'.

Variação vocálica

O modo de pronunciar uma vogal, pode variar dentro de certos limites. Importa, no entanto, que o som não seja demasiado próximo de outro das restantes vogais.

A duração das vogais não tem importância, em Esperanto. Pode-se pronunciá-las com duração longa, média ou curta.

Cada uma das vogais, em Esperanto, é pronunciada «sem movimento», o que significa que não se deve mover a língua de uma posição a outra enquanto dura a enunciação da vogal. Por exemplo, o E não deve soar como «ei», o O como «ou».

Consoantes

Consoante Descrição AFI-Alfabeto Fonético Internacional
B bolo, aba [b]
P pulo, pelo [p]
D cidade, dedo (di nunca é dji) [d]
T tábua, telha (nunca com som de ĉ) [t]
G gota, gaguejar (nunca com som de ĵ) [g]
K casa, queijo [k]
V uva, novelo [v]
F fato, febre [f]
Z zebra, casa [z]
S sapato, assado (nunca com som de z) [s]
Ĵ jipe, jade [ʒ]
Ŝ chave, xícara [ʃ]
Ĥ mujer em espanhol (rrrr, gutural, como se escarrasse) [x]
H horse em inglês (aspirado) [h]
C pizza /ts/ [ts]
Ĝ jeans (dj) [dʒ]
Ĉ atchim, tcheco [tʃ]
M molho, meia (nunca nasala vogais) [m]
N nabo, norte (nunca nasala vogais) [n]
L lata, leite (nunca com som de ŭ) [l]
R caro, parede [r]
J biscoito, leite, sai (semivogal) [j]
Ŭ luto, uva nunca nasalado [w]

Semivogais

As semivogais J e Ŭ são como vogais, no modo como são pronunciadas, mas desempenham o papel de consoantes. São sempre curtas e nunca podem receber acentuação. Uma semivogal aparece sempre antes ou depois de uma verdadeira vogal. Ŭ apenas surge, normalmente, nas combinações "aŭ" e "eŭ".

Variações consonantais

Quando uma surda está antes duma consoante sonora, muitos têm a tendência para a sonorizar: akvo → "agvo", okdek → "ogdek". E inversamente, quando uma consoante sonora está antes de uma surda, muitos tendem a torná-la surda: subtaso → "suptaso", absolute → "apsolute". Tais transformações, por princípio, nunca são corretas, mas são frequentemente toleradas na prática, se não causam dificuldades de compreensão. Há quem, por vezes, tenda a tornar surda a consoante sonora final da palavra: apud → "aput", sed → "set", hund' → "hunt", naz' → "nas". Tais mudanças, contudo, não são aceitáveis e devemos evitá-las.

Falantes de certas línguas tendem a pronunciar as consoantes consecutivas KV e GV como respetivamente "kŭ" e "gŭ": akvo → "akŭo", kvin → "kŭin", gvidi → "gŭidi". Esta pronúncia é geralmente considerada defeituosa, embora não possa haver problemas de compreensão, neste caso, porque o Ŭ nunca pode seguir-se a uma consoante.

Nalgumas línguas os sons P, T, K, C e Ĉ pronunciam-se com aspiração, como se tivesse um H fraco depois. Em Esperanto estas consoantes não são aspiradas, mas sobre isso não há regra. Se se deseja, pode-se pronunciá-las com aspiração, mas tenha-se cuidado para que a aspiração não soe plena (forte).

O L forma-se por uma barreira parcial dos dentes. Se o obstáculo é apenas aí, o L soa nítido. Se ao mesmo tempo se elevar a parte de trás da língua contra o véu, o L não soa nítido (como u). Essa falta de nitidez é uma boa alternativa, porém deve ter-se cuidado para que não soe como Ŭ. Isso ocorrerá se o obstáculo principal dos dentes desaparecer.

Quando o N está antes de um som gengival ou velar, tem-se a tendência para torná-lo gengival (pequena diferença) ou velar (grande diferença) para facilitar a pronunciação: tranĉi, manĝi, longa, banko e outros. Não há qualquer problema nisso porque, em Esperanto, não há sons nasais gengivais ou velares com que N pudesse confundir-se. De modo semelhante, tende-se a pronunciar o M dentelabialmente antes de outro som dentelabial: amforo, ŝaŭmvino e outros. Também aqui não há qualquer problema. Mas atente-se em que o N não seja pronunciado dentelabialmente: infero, enveni e outros, porque então confundir-se-ia N e M, o que não é aceitável. Claro, sempre se pode usar a pronúncia base de N e M.

O R normalmente é dental, mas de fato não é importante o lugar, na boca, onde se faz o som. Por exemplo, um R velar é uma boa alternativa. O importante é que o R seja vibrante. Portanto um R velar deve também ser vibrante (rolante), o que implica que a úvula trema contra a língua. O R deve ser sempre vibrante, seja qual for a sua posição na palavra. Por exemplo, em rivero os dois R devem ser pronunciados do mesmo modo. Na prática, utilizam-se diversos modos de sonorizar o R e isso é, em geral, bem aceite. Atente-se, porém, que o fonema R não se confunda com outra consoante ou com alguma das cinco vogais.

A duração das consoantes não é relevante, em Esperanto. Pode-se pronunciá-las com duração longa, média ou curta.

De volta à parte superior